Tomar-sol-ajuda-no-tratamento-da-psoríaseO sol é um dos grandes aliados no controle dos sintomas da psoríase, mas é preciso tomar algumas precauções para que, em vez de melhora, o paciente não sofra piora no quadro da doença. O primeiro passo é sempre seguir as recomendações do seu médico. O dermatologista é o profissional mais indicado para orientar se o tratamento do paciente deve incluir exposição ao sol ou não e quais são os limites e recomendações.

A exposição ao sol costuma ser recomendada aos pacientes diagnosticados com psoríase pois os raios UVB (ultravioleta B) penetram na pele e desaceleram o crescimento do número de células da pele afetadas. Com isso, as lesões causadas pela doença diminuem naturalmente. Ou seja, o sol é  um tratamento natural para a maioria dos pacientes. Inclusive, existem alguns tratamentos de fototerapia artificial que imitam de forma controlada os banhos de sol.

Tomar sol, porém, exige muitos cuidados. É  fundamental para o paciente se prevenir de queimaduras e dos efeitos nocivos que o sol pode causar. A principal recomendação é  utilizar protetor solar em todas as áreas do corpo que não têm lesões da psoríase. Também é  importante conversar com o médico sobre alguns medicamentos que, em contato com o sol, podem provocar queimaduras na pele. Se o paciente fizer uso desses medicamentos, não deve usa-los durante os banhos de sol.

Inicialmente, a recomendação é a de que o paciente pode tomar apenas 10 a 15 minutos de sol por dia, no começo da manhã e no fim da tarde, para testar os efeitos sobre as lesões e a sua resistência. Esse período pode ser ampliado gradualmente se a resposta ao tratamento fototerápico for positiva.

Se o paciente sentir coceira nas lesões ou a vermelhidão aumentar, é sinal de que a pele pode estar sofrendo queimaduras. Nesse caso, suspenda os banhos de sol e entre em contato com o médico imediatamente.

Em alguns casos, o dermatologista pode optar pelo tratamento fototerápico artificial, para aumentar o controle sobre a quantidade de raios ultravioletas a que o paciente será  exposto e, assim, evitar efeitos colaterais.