A psoríase no couro cabeludo pode ser confundida com a dermatite seborreica, popularmente conhecida como caspa, devido aos flocos brancos que aparecem no cabelo.

Enquanto a caspa afeta toda a superfície do couro cabeludo, a psoríase atinge áreas mais localizadas e também a nuca, a testa e a região em torno das orelhas, formando placas mais grossas e visíveis. Essas placas podem ser sentidas ao tocar os cabelos e causam muita coceira e desconforto.

Quem poderá diagnosticar se o paciente tem psoríase é o dermatologista, que também será o médico responsável por acompanhar o tratamento.

Existem alguns cuidados especiais que os pacientes podem tomar para não agravar o quadro.

Primeiro, os pacientes devem evitar coçar as placas ou lesões, para evitar evitar uma infecção nos folículos capilares – onde se localiza a raiz do cabelo – levando à queda de cabelo irreversível.

Segundo, é importante lavar os cabelos com suavidade, sem esfregar. Na hora de secar, se for utilizar o secador, lembre-se de colocá-lo em temperatura mediana e evite escovar demais os fios. Prefira pentes ou escovas com cerdas naturais ao invés das de plástico, que também podem agredir as placas. E, uma vez machucadas, elas levarão mais tempo para cicatrizar.

Acessórios como chapéus, lenços e bonés devem ser evitados. Seu uso impede que a cabeça fique arejada, provocando calor e o aumento da oleosidade capilar, agravando o incômodo causado pela coceira.

O uso de presilhas, laços e outros objetos que mantém o cabelo preso também deve ser suspenso já que eles impedem que o couro cabeludo esteja exposto ao ar e à luz e, dependendo da forma como são utilizados, também podem machucá-lo. Tinturas e colorações também devem ser evitadas.

Se aparecerem lesões no couro cabeludo ou flocos brancos procure um dermatologista.