O-stress-e-o-componente-emocional-da-psoríase (2)Não existe um único fator isolado que cause a psoríase ou desencadeie seus sintomas. Logo, não existe uma solução mágica que pode fazer com que a doença desapareça. Isso não quer dizer que alguns cuidados básicos não possam fazer uma grande diferença na qualidade de vida de quem sofre com esse mal.

Estudos indicam que a psoríase tem sua origem no mau funcionamento do sistema imunológico, que acaba interferindo na reprodução das células da pele, levando ao aparecimento de lesões e descamações em várias partes do corpo. Regiões como o couro cabeludo, joelhos e cotovelos costumam ser as mais atingidas.

Existem vários tratamentos que podem ajudar a amenizar os sintomas da doença –consulte um médico dermatologista assim que as primeiras suspeitas surgirem, e o profissional poderá indicar medicamentos que ajudam no controle da psoríase. Além dos medicamentos, porém, a atenção a alguns fatores também pode ser de grande ajuda.

Quem tem psoríase pode notar que momentos de maior stress costumam coincidir com crises mais agudas da doença. Alguns estudos mostram que momentos de maior stress podem alterar o funcionamento do sistema imunológico e deixar a pele mais suscetível a inflamações, o que é ruim para qualquer pessoa mas é ainda pior para que já possui uma pele mais fragilizada por conta da psoríase.

Claro que ninguém fica estressado porque quer. Para evitar que preocupações e problemas do seu dia-a-dia afetem seu equilíbrio emocional, tome algumas iniciativas simples. A prática de esportes pode ajudar no controle do stress, desde que isso seja feito de forma moderada e com a orientação de um médico. Caminhadas, ioga, pilates, natação são apenas algumas atividades que podem ser feitas regularmente e podem ajudar no controle da doença.

Levar uma vida saudável é algo indicado para todas as pessoas, mas é especialmente importante para quem convive com a psoríase, já que pequenas mudanças de hábito podem fazer uma grande diferença no convívio com esse problema.